Rodrigo Brand | [ A bunda ]
16838
post-template-default,single,single-post,postid-16838,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-16.7,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

[ A bunda ]

 

A bunda abunda

Pra todo lado que olho

Lá está ela, cheia

Minguante ou crescente

Como a lua

Feita de nádegas

Um córrego ao meio

Não há pescador que não a deseje

Ela, igual queijo

Tantos tamanhos

Tantos sabores

Furada ou lisinha

Velha ou novinha

Chama a atenção

Peitos são dois

Mas a bunda não falha

Reluz toda charmosa

Até quando é petit

Ah, a bunda

Majestoso travesseiro

Ela, natural

Melhor recosto não há

Deita-se o rosto

Escreve-se o poema

Dessa curvilínea forma humana

Paixão nacional

O que dizer… da bunda?

Em uma palavra:

Gosto.

No Comments

Post A Comment