Rodrigo Brand | [ Esperança ]
23131
post-template-default,single,single-post,postid-23131,single-format-standard,bridge-core-2.7.1,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-25.6,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

[ Esperança ]

Pela janela vejo um sinal de esperança

O mar, refletido no azul do céu,

E quando digo “o mar”

Eu quero dizer “a vida”

(Hoje em dia, poesia tem que se explicar)

Sim, um pouco mais triste

Ao menos para nós

Foi-se o Martinho, foi-se a Fernanda

A Dona Adelaide, o seu Alcyr!

Que, só a família, e

Alguns amigos, conheciam

Não importa, o mundo fica mais triste

No momento de uma partida

Quem dera ainda tivêssemos viagens à navio

Acenar com um lenço o barco sumindo na distância

Poder dizer adeus ao menos uma vez mais

Memórias, de um passado distante

Um dia, seremos nós

Mas nesse momento

(Enquanto você lê esse texto)

Está nascendo a Samira

Um dia vai virar professora, poetisa

Talvez médica, espero que seja mãe

Continuar o ciclo da vida

Contribuir para o azul do céu

Faz bem fazer o bem

E enquanto existir algo a se plantar

Há… Esperança.

 

No Comments

Post A Comment