Rodrigo Brand | [ Grão ]
23092
post-template-default,single,single-post,postid-23092,single-format-standard,bridge-core-2.3,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-21.7,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

[ Grão ]

O que sei é um grão de areia

Nada mais

Sei do meu amor

Dos olhos dela quando me fitam

O que querem dizer

Sei de seus humores

De seus encantos

E do vai e vem de seu corpo.

 

Do mundo natural

Sei que o sol se põe

A cada dia em algum canto

É que ressurge

Glorioso, na manhã seguinte

Sei das estrelas que brilham à noite

Mesmo quando as luzes da cidade à escondem.

 

De mim sei pouco

Muito pouco

Tenho essa mania de escapar

Quando me encontro

O espelho apenas revela uma imagem

Não sou eu, não de fato

Sei que nunca me verei

Como realmente sou.

 

Dos amigos…

Sei que tenho, alguns

Fiéis e amáveis

Os guardo com carinho

Em meu coração

Para mim, uma imensurável fortuna.

 

Enfim,

Sei coisas de poeta

Literatura, poesia

Essas coisas não muito…

Valorizadas na vida

Em termos de dinheiro, não.

 

Um grão de areia,

Somente um grão

Quase invisível

Mas que amonta

Essencial, como o ar.

No Comments

Post A Comment